quinta-feira, 27 de setembro de 2018

DECO - Dependência de videojogos será um vício?

É oficial! A dependência de videojogos está classificada como uma adição na nova edição do manual de classificação de doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS). 
Segundo a OMS, os videojogos inserem-se na categoria de patologia aditiva sem substância, sendo estas capazes de gerar dependentes que não precisam de uma droga para o serem, pois envolvem os mesmo circuitos e regiões cerebrais responsáveis pelos comportamentos aditivos com substância. 
Por si só, o jogo é uma atividade sem riscos para a saúde, se efetivamente for praticado de forma responsável, com moderação. Mas a facilidade de acesso aos videojogos 24 horas por dia, pode favorecer a dependência. A OMS considera que o quadro de dependência se verifica quando há pouco controlo sobre o jogo, nomeadamente sobre quando começa, com que frequência, intensidade e duração, ou ainda quando o jogo prevalece relativamente a outros interesses. 
De acordo com a Organização Mundial de Saúde para o distúrbio ser diagnosticado, estes comportamentos devem ser consistentes, pelo menos, durante um ano e terem gravidade suficiente para ter impacto na vida pessoal, familiar, social, nos estudos, no trabalho ou noutras áreas importantes da vida pessoal. 
Existem algumas formas de prevenir estes comportamentos que passam, na sua generalidade por ensinar os seus filhos a ter uma relação saudável com as tecnologias. Conheça alguns: 
-Não exagere nos limites de tempo passados em frente ao ecrã; -Explique que os tablets e computadores não são brinquedos e devem ser usados com alguns cuidados; explique-lhes também quais os benefícios e os riscos associados aos mesmos; -Explique aos seus filhos a importância da privacidade e da proteção da informação pessoal; -Estabeleça um tempo limite para estes terem acesso aos tablets e computadores; -Evite que tenham acesso a tecnologia trinta minutos antes de irem dormir; -Tenha atenção aos sites que os seus filhos veem, ensine o bom comportamento online e incentive as relações de amizade fora da realidade virtual. 
Mais sobre este tema em (www.deco.proteste.pt).

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Exposição 'Déjà-Vu' de André Carrilho na Assembleia da República

A exposição 'Déjà-Vu' com cartoons gráficos do artista André Carrilho será inaugurada no Palácio de São Bento na próxima 5ª feira dia 27 de setembro às 18h00 (após plenário) no Andar Nobre, onde ficará patente até 2 de novembro. 
Esta é mais uma iniciativa integrada no programa das Jornadas Europeias do Património 2018 na Assembleia da República.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

A capela de Nª Srª das Mercês da Vila de Ançã assinala os 242 anos do início da sua construção com uma missa!

A construção da capela foi iniciada há 242 anos conforme inscrição no Cruzeiro (1777) que se encontra colocado lateralmente à mesma. Foi no Arquivo da Universidade de Coimbra e noutros, que o processo investigação foi efetuado, junto dos quais se encontrava a informação necessária que nos permitiu chegar a esta e outras conclusões. 
O capitão-mor José Carlos e sua esposa D. Maria Lopes mandaram-na construir por promessa e a seu pedido, tendo decorrido o habitual e decorrente processo eclesiástico que originou a necessária concessão do Papa Pio VI através da sua Bula, na qual autorizava todas as celebrações religiosas. 
A razão desta informação prende-se com o facto da referida Capela de Nª. Sr.ª das Mercês da Vila de Ançã, ser monumento único no distrito de Coimbra de invocação a esta Santa.   
Consolidando e embelezando a capela, ano após ano continuam a efetuar-se obras de manutenção bem como algumas aquisições, como um escabelo em madeira maciça para a sacristia e uma cadeira de altar.
Segundo o calendário litúrgico o dia festivo de Nossa Senhora das Mercês celebra-se no dia 24 de setembro. Este ano, coincidindo com esse dia e mantendo a tradição, nesse espaço sacro, irá ser rezada uma missa pelas 20h30, presidida pelo reverendo pároco de Ançã dr. Manuel de Jesus. (Francisco M. Relva Pereira, proprietário da capela)

terça-feira, 18 de setembro de 2018

O 'Portal da Queixa' revela estudo que apurou que mais de 90% dos consumidores inquiridos já comprou online!

O comércio online tem ganho, cada vez mais, adeptos por todo o mundo e os portugueses não foram exceção. Após um estudo realizado pelo Portal da Queixa, em parceria com a Netquest, foi possível concluir que 92% dos entrevistados já adquiriu algum produto ou serviço online, sendo que a faixa etária superior aos 59 anos é a que menos compra através da Internet, em comparação com os restantes grupos. 
O estudo de âmbito nacional, efetuado entre 14 e 28 de junho de 2018, obteve um total de 5.300 respostas (59% do sexo masculino e 41% do sexo feminino) e teve a duração média de 5.4 minutos.
=LER TODAS AS CONCLUSÕES AQUI=

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

'Portugal Sou Eu' associou-se às comemorações do 10.º aniversário do Ouro Olímpico de Pequim e homenageou Nelson Évora

O programa 'Portugal Sou Eu' foi lançado em dezembro de 2012 pelo Governo de Portugal para dinamizar a competitividade das empresas portuguesas, promover o equilíbrio da balança comercial, combater o desemprego e contribuir para o crescimento sustentado da economia. 
O selo 'Portugal Sou Eu' é atribuído aos produtos e serviços com base em critérios de incorporação nacional, marcas e patentes, emprego nacional e valor acrescentado nacional da empresa. 
Até ao momento, estão inscritos no programa cerca de 3400 empresas e 1200 estabelecimentos. 
E ontem o 'Portugal Sou Eu' homenageou durante um jantar o atleta e Embaixador do programa Nelson Évora, associando-se às comemorações do 10.º aniversário do Ouro Olímpico de Pequim. 
A homenagem contou com a presença do Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, do Presidente da Comissão Diretiva do Compete, em Representação da Secretaria de Estado do Comércio, Jaime Andrez, dos Embaixadores do programa (Júlio Isidro, Justa Nobre, Rosa Mota e Fernanda Freitas) e dos membros do órgão de gestão do programa e parceiros. 
Durante o discurso de boas-vindas, o Presidente da AEP, Paulo Nunes de Almeida, em representação do órgão de gestão do “Portugal Sou Eu”, entregou a Nelson Évora uma placa comemorativa, uma homenagem simbólica para que o Embaixador do programa possa guardar na sua memória a ligação ao 'Portugal Sou Eu'.

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

DECO: Minha fatura (água, luz, gás) contempla consumos com mais de seis meses! O que poderei fazer?

São recorrentes as abordagens dos consumidores, junto do Gabinete de Apoio ao Consumidor da DECO, indagando se deve ser paga ou não uma fatura com consumos sobre os quais já decorreram mais de seis meses. 
A Lei 23/96, de 26 de Julho, na sua atual redação, contempla os mecanismos destinados a proteger o utente de serviços públicos essenciais, que se traduzem nos serviços de fornecimento de água, de energia elétrica, de gás natural e gases de petróleo liquefeitos canalizados, de comunicações eletrónicas, serviços postais, serviços de recolha e tratamento de águas residuais e serviços de gestão de resíduos sólidos urbanos. 
A referida lei prevê que o direito da empresa ao recebimento do preço do serviço prestado prescreve no prazo de seis meses após a sua prestação. 
Assim, os consumidores podem opor-se ao pagamento de determinada quantia, invocando expressamente a prescrição e solicitando a anulação do valor exigido. 
Simplesmente não pagar o valor pedido não é o procedimento correto. 
A prescrição deve ser invocada pelo titular do contrato junto da empresa, por escrito, através de carta registada com aviso de receção, ficando com cópia da mesma e guardando os registos de envio. 
Convém não esquecer, dada a extrema importância, que a prescrição deve ser invocada antes de efetuar o pagamento da fatura reclamada, pois caso contrário, já não poderá exercer tal direito. 
Por último, mas não menos importante, saiba ainda que se recebeu uma fatura elevada, com consumos prescritos, e pediu um plano de pagamentos para liquidação da mesma, já não poderá invocar a prescrição, visto ter existido um reconhecimento da dívida. 
Em caso de dúvidas ou conflito não hesite em contactar a DECO. (Tânia Santana, jurista - DECO Centro)

domingo, 2 de setembro de 2018